Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
18/06/24 às 0h56 - Atualizado em 18/06/24 às 10h45

Paratleta de goalball do DF disputa vaga para representar o Brasil nos Jogos Paralímpicos

Revelado no COP de São Sebastião, Mizael Castro está entre os oito selecionados para compor a Seleção Brasileira, que poderá levar apenas seis para a competição em Paris no mês de agosto

 

Há oito anos, o brasiliense nascido e criado em São Sebastião Mizael Castro conheceu o esporte que transformou completamente a vida dele: o goalball, modalidade paralímpica destinada a pessoas com deficiência visual. Na época, com apenas 16 anos, ele sequer imaginava que se tornaria um dos paratletas mais promissores do país. Hoje, aos 24 anos, ele está na disputa para ser um dos seis competidores a compor a Seleção Brasileira de Goalball que estará nos Jogos Paralímpicos 2024 em agosto em Paris, na França.

 

Mizael Castro participa da seletiva para a definição dos seis atletas que vão representar o Brasil, na modalidade de goalball, nos Jogos Paralímpicos de Paris neste ano | Fotos: Joel Rodrigues/Agência Brasília

 

“No começo do ano passado foram convocados 11 atletas e hoje estamos em oito, mas a seletiva ainda continua. O professor disse que ainda não tem os seis atletas definidos [que vão para Paris]. Isso me dá cada vez mais esperança para que possa estar nesse sexteto”, conta.

 

Renato Junqueira, secretário de Esporte e Lazer, elogia o jovem. “O desempenho de Mizael Castro, aluno do Centro Olímpico e Paralímpico de São Sebastião, destaca a excelência dos treinamentos realizados nos nossos Centros Olímpicos e o potencial dos atletas do Distrito Federal. Sua inclusão entre os oito selecionados para compor a Seleção Brasileira de goalball é um grande orgulho para nós. Estamos confiantes de que sua dedicação e habilidade o levarão a conquistar uma vaga para representar o Brasil nos Jogos Paralímpicos de Paris em agosto”, afirmou.

 

“Hoje, contamos com 20 atletas deficientes visuais atendendo diariamente na base e no alto rendimento. Foram praticamente sete anos de trabalho e bons resultados para chegar onde chegamos”

Gabriel Goulart, professor do COP de São Sebastião e técnico da Seleção Brasileira de base da modalidade de goalball

 

Mizael entrou no goalball em 2016 graças ao esforço do professor do Centro Olímpico e Paralímpico (COP) de São Sebastião e também técnico da Seleção Brasileira de base da modalidade, Gabriel Goulart, que de tempos em tempos busca novos talentos para o esporte no Distrito Federal. “Na verdade, eu praticava atletismo paralímpico e natação até que o professor Gabriel me convidou para vir conhecer o goalball. No primeiro momento, achei bem estranho. Depois vim, pratiquei um dia e estou aqui até hoje”, lembra o jovem.

 

Único esporte paralímpico não adaptado, o goalball tem origem austríaca e utiliza as percepções táteis e auditivas para que os paratletas consigam arremessar e defender uma bola com guizo em direção ao gol. O jogo é disputado por três jogadores titulares e três reservas de cada time que jogam com vendas nos olhos. Todos são, ao mesmo tempo, arremessadores e defensores.

 

Em uma quadra com as mesmas dimensões das de vôlei, com 9 m de largura por 18 m de comprimento, há um gol posicionado de cada lado com 9 m de largura por 1,30 m de altura. O objetivo é arremessar de forma rasteira a bola em direção ao gol. As partidas são divididas em dois tempos de 12 minutos, com três minutos de intervalo.

 

Mizael Castro conta com o apoio do programa Bolsa Atleta, da Secretaria de Esporte e Lazer, que ajuda financeiramente esportistas olímpicos e paralímpicos de alto desempenho

 

O Distrito Federal é considerado um celeiro de paratletas de goalball. A modalidade é ofertada nos COPs – programa da Secretaria de Esporte e Lazer (SEL-DF) que promove atividades desportivas e de lazer para o desenvolvimento físico, pessoal e social de crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos, incluindo pessoas com deficiência – desde 2014. A referência é a unidade de São Sebastião que revelou nomes como André Dantas, Kátia Aparecida e Jéssica Vitorino.

 

“Hoje, contamos com 20 atletas deficientes visuais atendendo diariamente na base e no alto rendimento. Foram praticamente sete anos de trabalho e bons resultados para chegar onde chegamos”, comenta o professor Gabriel Goulart.

 

Para ele, o sucesso do esporte no DF tem dois motivos: amor e perseverança. “Acabei desenvolvendo um amor por essa modalidade e todos os anos vou nas escolas da cidade para ir atrás desses atletas. Mas o que nos motiva é ver o resultado”, completa.

 

Sonho da amarelinha

 

O sonho de representar o Brasil na seleção veio assim que Mizael Castro começou a praticar o esporte no COP de São Sebastião, onde treina até hoje pelo time Capital. O desejo surgiu por dividir a quadra com vários outros atletas brasilienses que vestiram a amarelinha. “Sempre vi que os atletas de Brasília eram convocados, até joguei com alguns deles. Isso me inspirou muito”, diz.

 

Ao longo da carreira, teve algumas convocações para a seleção. A mais importante foi em 2022 quando atuou internacionalmente pela base em uma competição em Barcelona. Este ano estreou no time principal em um amistoso contra os Estados Unidos, em São Paulo. A expectativa agora é ser selecionado para ir a Paris em agosto.

 

Para isso, tem se dedicado exclusivamente ao esporte: “Hoje tudo na minha vida é voltado para o goalball”. O que só é possível graças à Bolsa Atleta, programa da Secretaria de Esporte e Lazer que ajuda financeiramente esportistas olímpicos e paralímpicos de alto desempenho que são indicados por suas respectivas federações e que apresentam bons resultados em competições. “A Bolsa Atleta é uma coisa muito importante nesse processo, porque ajuda na suplementação, em bons equipamentos, entre outras coisas. Hoje a minha profissão é ser um atleta de alto rendimento na modalidade”, afirma.

 

Jogos Paralímpicos

 

O Brasil está classificado para os Jogos Paralímpicos de Paris tanto na modalidade masculina quanto feminina de goalball. A equipe masculina garantiu a classificação no ano passado ao ser campeã mundial. É considerada uma das favoritas por ser a primeira do ranking mundial e atual campeã paralímpica. Já a seleção feminina garantiu a vaga pela classificação no ranking mundial.

 

Agência Brasília*