Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/05/21 às 12h16 - Atualizado em 25/05/21 às 12h19

Beneficiados do Criança Feliz Brasiliense ganham vagas nos Centros Olímpicos e Paralímpicos

COMPARTILHAR

Os Centros Olímpicos e Paralímpicos (COPs) do Distrito Federal destinarão parte de suas vagas para crianças e suas respectivas avós, assistidas pelo programa Criança Feliz Brasiliense. A Portaria Nº03, assinada em conjunto pela Secretaria de Esporte e Lazer (SEL) e Secretaria de Desenvolvimento Social, na semana passada, foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta terça-feira (25).

 

Nas unidades esportivas, com base na normativa, alunos de 4 a 6 anos beneficiados pelo programa terão direito a 15% das vagas nas turmas de Desenvolvimento Motor I. Esse percentual também valerá para a mesma faixa etária nas turmas exclusivas para pessoas com deficiência. Nos grupos de hidroginástica, 5% das vagas serão separadas para as avós responsáveis diretamente pelas crianças do programa Criança Feliz Brasiliense.

 

A novidade foi anunciada pela secretária de Esporte e Lazer, Giselle Ferreira, durante a cerimônia de inauguração do Espaço Primeira Infância no Suas – Criança Feliz Brasiliense, no Centro de Referência da Assistência Social (Cras). “Estamos trabalhando sem parar para tirar do papel iniciativas importantes como essas, que atenderão o público que mais precisa de políticas públicas”, avalia.

 

As vagas destinadas ao programa serão para participantes de região onde hoje conta com uma estrutura do COP. Quando forem realizar a matrícula nas unidades esportivas, os beneficiados pelo Criança Feliz Brasiliense precisarão indicar no campo específico do formulário que são originários desta política pública e apresentar juntamente toda a documentação obrigatória exigida aos demais alunos.

 

Criança Feliz Brasiliense

O programa tem a finalidade de apoiar as famílias em seu papel protetivo e ampliar a rede de atenção e cuidado para o desenvolvimento integral das crianças na primeira infância. As visitas são feitas de forma planejada e sistemática. Nesses encontros, os visitadores fornecem orientações sobre práticas que fortalecem o desenvolvimento da criança e os vínculos familiares, bem como sobre o acesso a serviços para a garantia de direitos.

 

 

FOTO DE ALEX ALVES/ASCOM/SEL